O que é carro PCD

Carros para PCD: Saiba quais são suas funções e quem pode comprar

Os carros PCD são feitos especialmente para pessoas que possuem algum tipo de deficiência e precisam necessariamente de um automóvel adaptado, seja para motoristas ou passageiros. A venda desses automotivos vem crescendo cada vez mais no Brasil, aumentando também a produção e adaptação dos carros para esse público.

Apesar desse aumento na busca e nas vendas dos carros PCD, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o seu funcionamento, como comprar e quem pode ter esse modelo de automóvel, por isso, no artigo de hoje vamos esclarecer essas dúvidas.

O que é carro PCD

Primeiramente precisamos entender que PCD é uma sigla para Pessoas com Deficiência, ou seja, os carros PCD são voltados para esse público. Antigamente as pessoas faziam suas próprias adaptações em carros convencionais, mas atualmente muitas marcas já fazem carros adaptados de fábrica.

Os automóveis são fabricados tanto para motoristas, quanto para passageiros que tenham alguma deficiência, contando com espaços maiores e acessórios que facilitam a direção do veículo, prezando pelo conforto e segurança dos seus portadores.

O que é carro PCD

Mulher com deficiência entrando em seu carro

Qual a diferença entre carros PCD e carros convencionais

Quando falamos do carro PCD não nos referimos a um automóvel tão diferente do convencional, esses modelos possuem apenas algumas adaptações para que pessoas com deficiência fiquem mais confortáveis conseguindo entrar, sair e se mover dentro do carro com facilidade, além disso, ter um fácil acesso a direção e demais recursos.

Carro PCD

Os carros PCD devem oferecer aos clientes a sensação de inclusão mesmo que esses sejam portadores de uma deficiência, mostrando que eles também podem dirigir e se locomover sozinhos, sem precisar chamar um amigo ou familiar para dirigir seu carro.

Esses modelos possuem diversas funcionalidades que deixam a direção mais simples e leve, sem ter o perigo de causar acidentes ou dificultar a vida da PCD.

Mas é preciso se atentar, pois assim como qualquer outro veículo, o carro PDC exige manutenção, como a troca de pneus, revisão do motor e principalmente dos acessórios inclusos para deficientes, a manutenção dos mesmos é necessária para evitar desgastes e até que parem de funcionar.

Carro convencional

O carro convencional é aquele modelo que estamos mais acostumados com pedais, câmbios manuais e um painel simples, esse tipo de automóvel não é muito recomendado para PCD, principalmente em casos da ausência da movimentação nas pernas ou braços e até a falta dos mesmos.

Mesmo que a pessoa tenha perdido o movimento de apenas um dos membros superiores ou inferiores, ter estabilidade na direção pode ser difícil, podendo resultar em deslizamento na pista, batidas e outros.

Ainda para aqueles que não necessariamente perderam algum membro, como os portadores de autismo ou perda de audição, o carro convencional pode não ser a melhor opção, a não ser que o mesmo seja adaptado.

Pessoas com deficiência podem ter carro convencional

Para aquele que já possui um carro convencional ou então quer um modelo específico, mas não está encontrando na modalidade PCD, então uma boa alternativa é adquirir a própria adaptação.

Indo até uma autopeça especializada no serviço ou uma empresa própria para isso, é possível selecionar os itens que deseja incluir no carro e um profissional realizará a instalação. Esse método é tão funcional quanto o carro já montado de fábrica, a principal diferença é que será necessário incluir um gasto a mais para o serviço.

Pessoas com deficiência podem ter carro convencional

Homem dirigindo com prótese de mão

Como funciona carro PCD

O carro PCD funciona da mesma maneira que o carro convencional, mas permitindo que pessoas com deficiência se locomovam sem precisar de uma outra pessoa para dirigir. Além disso, o modelo é bastante seguro, confortável e funcional.

Você já parou para pensar em como dirigir em segurança em dias de neblina ou chuva intensa? A maioria dos carros PCD possuem um câmbio com fácil acesso para o para-brisa, faróis e câmera de ré e ainda rodas de liga leve que evitam peso e consequentemente derrapagem dos pneus.

Acessórios para carro PCD (H2)

Para entender melhor como funciona esse carro, veja algumas das suas características:

  • Veículo automático;
  • Acelerador e freio manual para portadores de deficiência nas pernas;
  • Pomo de volante que ajuda no manuseio do volante para pessoas com deficiência em um dos braços;
  • Carros mais grandes que facilitam a entrada, saída e armazenamento de cadeira de rodas e demais itens;
  • Aparelhos multimídia para facilitar acesso ao GPS, rádio e demais itens;
  • Câmera de ré para evitar os pontos cegos;
  • Apoio de braço;
  • Piloto automático e limitador de velocidade;
  • Rodas de liga leve.

Vale lembrar que alguns carros virão com apenas alguns desses acessórios, mas caso deseje algo extra, basta solicitar na própria empresa ou então em uma loja de autopeças.

Carros PCD 2022

E para aqueles que amam acompanhar tendências não poderia faltar uma lista dos carros PCD que estão mais em alta no mercado. Confira alguns deles:

  • Onix LT 1.0 Turbo Automático;
  • Onix Plus LS 1.0 Turbo Automático;
  • Fiat Pulse Drive 1.3 CVT Automático;
  • 208 Active 1.6 Automático;
  • Yaris hatch XL 1.5 CVT Automático;
  • Yaris sedan XL 1.5 CVT Automático.

Esses ainda são ótimos modelos para quem tem filhos e precisa realizar a instalação de cadeirinha no carro, garantindo bastante espaço para a segurança da criança e armazenamento dos seus itens, facilitando para o papai ou mamãe portador de alguma deficiência.

Carros PCD 2022

Cadeirinha de bebê em carro PCD

Quem pode comprar carro PCD

Devido ao desconto oferecido pelos carros PCD, a venda dos mesmos passou a ser descontrolada de uns anos para cá, ocorrendo diversos casos de pessoas que não precisavam de fato desse modelo automotivo, mas compravam pelo desconto.

Devido a isso, algumas regras foram estabelecidas para a compra e venda de carros PCD, devido a isso é importante se atentar previamente a lista de pessoas com direito ao carro PCD.

Mas vale lembrar que uma pessoa que possua alguma deficiência que a impeça de conduzir o veículo pode autorizar por lei até 3 pessoas como as condutoras do carro, não sendo possível incluir mais do que isso.

Já para pessoas que têm capacidade de conduzir o próprio veículo, podem solicitar que 3 pessoas ou mais também conduzam o automóvel, desde que tenham a sua permissão.

Quem pode comprar carro PCD

Mulher com Síndrome de Down dirigindo

Como comprar um carro PCD

Há algumas regras para comprar o carro PCD e essas devem ser seguidas à risca para que não haja problemas posteriormente, a primeira delas é apresentar laudos médicos, é possível comprovar e validar uma deficiência apenas com a declaração oficial de uma clínica que seja credenciada pelo Detran.

Depois de tirar essa declaração, é necessário ir juntamente ao Detran solicitar a CNH própria para PCD, que declara a permissão de condução apenas de automóveis adaptados.

Após a aprovação da CNH já é possível realizar a compra do automóvel, acontece que com esse modelo de carteira se torna inviável que a pessoa dirija carros manuais, ou seja, apenas carros automáticos se enquadram na modalidade PCD.

Como comprar um carro PCD

Senhora dirigindo carro automático

Como funciona o desconto de carros para deficientes

Até o ano de 2021 o governo permitia a isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para automóveis de até R$70 mil, sendo uma proposta muito difícil uma vez que apenas carros automáticos se enquadram na modalidade PCD.

Felizmente no ano de 2022 uma nova lei decretou que a isenção de IPI pode ser aplicada em carros de até R$200 mil. Entretanto, a isenção do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) é proposta para carros de até R$100 mil e do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) continua válida para veículos de até R$70 mil.

Além disso, algumas marcas aplicam em determinados carros um desconto de fábrica próprio para pessoas com deficiência. Também há casos de antigos usuários do automóvel adaptado que o vendem por conta e acabam abaixando o seu valor por causa das adaptações que dificultam a venda.

Como funciona o desconto de carros para deficientes

Isenção da taxa

Quanto tempo para trocar de carro PCD

Para aqueles tenham atribuído a isenção do ICMS a troca do veículo só pode ser realizada após 2 anos desde a data de compra. No entanto, conforme a lei, carros PDC podem ser trocados após o prazo de 4 anos de uso.

Dessa forma, pessoas portadoras de deficiência não podem anunciar a venda ou adquirir outros automóveis dentro desse prazo, a troca realizada antes desse prazo pode indicar a falta de necessidade de isenção das taxas, por isso precisa ser respeitada a risca conforme a lei.

Ainda assim, algumas pessoas têm dúvidas sobre o poder de compra do carro PCD antes desse prazo, para o caso de o carro atual que tenha sido envolvido em um acidente de trânsito e sofreu perda total. Ainda que o veículo não tenha mais condições de ser utilizado, outro veículo PCD não pode ser comprado, assim com a isenção das taxas não podem ser aplicadas até que o prazo seja finalizado.

Devido a isso, uma boa opção é contratar um seguro de carro para que acidentes, batidas e furtos possam ser resolvidos da melhor forma e sem burocracia.

Quanto tempo dura um pneu novo?

pneus

Sempre que é necessário fazer a troca dos pneus do carro, vem aquela velha e persistente dúvida: quanto tempo dura um pneu novo? Independente da qualidade e marca, os pneus possuem vida útil e devem ser avaliados com frequência nos veículos.

Para manter a qualidade dos pneus, antes de mais nada, é importante estar atento na manutenção do veículo. Os cuidados com o carro são fundamentais. Observando desempenho de motores, alinhamentos, balanceamentos e suspensões de seu automóvel, poderá garantir o aumento de durabilidade dos pneus.

Evitar problemas e principalmente o risco de acidentes em estradas ou no trânsito das cidades é imprescindível. Pensando nisso, o artigo de hoje aborda a durabilidade dos pneus. Acompanhe a leitura e saiba quanto tempo dura um pneu novo.

Quanto tempo em média é a vida útil de um pneu novo?

Existem controvérsias sobre a durabilidade do pneu. Os fabricantes garantem vida longa a eles, desde que o motorista siga regras para mantê-los em ordem. Porém, nem sempre é possível deixar os pneus com resistência igual de quando foram instalados.

Isso porque pode variar a frequência com que o motorista precisa utilizar seu veículo, se costuma dirigir por longos períodos, se trafega em estradas cheias de buracos, praças de pedágio, dentre outros pontos que precisam ser observados.

Em geral, há informações de que os pneus novos podem durar de cinco a seis anos. E ainda há dúvidas se podem ter dez anos de vida útil. Mas, como dito antes, tudo dependerá da flexibilidade e desempenho do automóvel.

A borracha que compõem os pneus tem a possível durabilidade de até seis anos. Os componentes do material garantem a elasticidade, aderência e densidade das peças, e garantem melhor desempenho aos veículos. Com o passar do tempo, o pneu começa a perder seus componentes, ficando enrijecido, menos elástico e sem autonomia.

Essas perdas podem ter consequências sérias, como a falta de resistência e atrito no solo e até problemas de frenagem do veículo. Em casos mais sérios, os pneus correm o risco de estourarem. Se não houver manutenção adequada, os problemas mais graves podem acontecer em até dez anos. E seu carro perderá completamente a resistência.

Quilometragem

Um pneu novo pode rodar entre 10 mil e 80 mil quilômetros. Mas é difícil estabelecer um número preciso, pois isso depende de vários fatores. As condições de uso e por onde o carro trafega, são essenciais para avaliar a durabilidade dos pneus.

A partir daí, vem mais uma dúvida persistente. Quando saber que é hora de trocar os pneus do carro? Neste detalhe, o motorista precisa apelar para o teste visual, observando se as peças apresentam desgastes, estão lisas, que representam o “pneu careca”, e se há descolamentos e rachaduras no entorno dos pneus.

Quando trocar os pneus?

Esse item é importante. Em cada pneu, existem os TWI, Tread Wear Indicator. São indicadores que ficam na banda de rodagem dos pneus. Quando eles atingem o nível máximo de desgaste, é hora de fazer a troca dos equipamentos.

Os TWI são pequenas barras que ficam entre os sulcos dos pneus. Quando a altura da borracha atingir a marca, não demore a fazer os reparos. Lembre-se, pneus em maus estados de conservação ainda são um dos principais causadores de acidentes de trânsito. Principalmente em dias de chuva.

Por que ocorrem os desgastes do pneu?

Ao questionar quanto tempo dura um pneu novo, você nota que esse detalhe não pode passar despercebido na manutenção de seu carro. Entre muitos fatores que podem gerar o desgaste dos equipamentos, há uma série de medidas que deverá observar. Veja o que pode gerar a perda de vida útil dos pneus.

  • Más condições de áreas de trânsito;
  • Falta de manutenção periódica nos veículos;
  • Não realizar rodízio dos pneus;
  • Ausência de balanceamento;
  • Falta de calibragem;
  • Não realizar checagem periódica no motor do veículo.

Esses detalhes são indispensáveis, pois sem um check up o carro adoecerá. A troca de componentes e peças do motor é sugerida, pois ajudam a limpar carburadores, tanques e não prejudicarão o atrito dos pneus no solo.

Dicas para prolongar a duração dos pneus

Há muitas formas de garantir a durabilidade dos pneus e o bom desempenho de seu carro. Seguindo as regras, não haverá motivos para preocupação. São detalhes que até podem gerar despesas extras, mas serão fundamentais para garantir a durabilidade do automóvel e conforto aos passageiros. Confira!

Vias públicas

Um transtorno sem tamanho aos motoristas. Esse é um fator determinante para a vida útil dos pneus. Se estiver dirigindo sobre vias em péssimas condições de manutenção, não haverá pneus que resistam muito tempo. Diariamente, as oficinas recebem muitos veículos com problemas em suspensão, de eixos e pneus, devido à falta de conservação de asfaltos.

Rodízio de pneus

Esse detalhe é simples de realizar. Em geral, os pneus dianteiros sofrem mais desgaste que os traseiros. Então, a dica é realizar o rodízio dos pneus. Mantenha sempre dois pneus de reserva. Quando perceber que os dianteiros estão desgastados, faça a troca pelos traseiros. Assim, eles desgastarão por igual e terão mais durabilidade. E mantenha os outros guardados.

Peso do veículo

Você já deve ter vistos carros que estão com a parte traseira quase tocando o solo. Se você tem hábito de transportar cargas ou objetos de peso, o que é frequente em automóveis de transporte, tome cuidado com o volume de itens. Eles podem pesar o veículo e impactar na resistência dos pneus. Faça sempre uma análise proporcional do que pode transportar. Se não puder evitar, confira sempre o estado dos pneus.

Qualidade dos pneus

Para ter certeza sobre quanto tempo dura um pneu novo, não basta apenas conservá-lo. É muito importante avaliar o fabricante. Por isso, antes de comprar, verifique se há o selo de qualidade do Inmetro. A inspeção do órgão é garantia de que as peças foram submetidas a rigorosos critérios de produção e testes finais.

Motor do carro

É bastante relevante estar sempre de olho nas condições do motor. Para que não haja problemas de esforços mecânicos, superaquecimento ou desgaste de peças, cheque essa parte periodicamente. O desempenho do motor também influencia nos pneus e evitará que o veículo sofra problemas de estabilidade.

Pneus velhos? Saiba como utiliza-los na decoração

Qual a importância ambiental de reciclar pneus

O tempo de decomposição de um pneu pode ultrapassar os 600 anos, em todo esse tempo ele irá causar inúmeros danos se em contato com o meio ambiente; pneus velhos que descartados de forma incorreta na natureza podem ser responsáveis pelo entupimento de rios e redes de esgoto, causando assim grandes enchentes; mesmo quando enviados para aterros sanitários os pneus ainda liberam uma grande quantia de poluição na atmosfera.

No Brasil são produzidos cerca de 40 milhões de unidades de pneus por ano, já o número de descarte de pneus durante o mesmo ano alcança cerca de 160 milhões de unidades, tais números são responsáveis por uma porcentagem considerável se vermos os danos que podem causar ao meio ambiente e atmosfera.

Tendo em vista tais problemáticas o governo sancionou a Lei 12.305/2010 Art.33, afim de reduzir os danos causados e reaproveitar os resíduos uma vez em que os pneus são 100% recicláveis, grandes empresas por exemplo conseguem transformar um pneu velho em asfaltos ecológicos, tapetes para automóveis, solas para calçados e diversos outros materiais.

Vantagens de reutilizar pneus

Cerca de 100 pneus derretidos podem render em até 150 quilos de carvão mineral, 75 quilos de aço e 125 litros de óleo. O carvão e o óleo são transformados em combustível para industrias e o aço é reaproveitado por metalúrgicas, estão são aplicações mais técnicas para a reutilização/reciclagem dos pneus.

Também existe a opção de você utilizar os pneus como artigos de decoração para sua própria residência, podem ser feitos mosaicos, cestos, tapetes, materiais de limpeza, brinquedos… as opções são enormes e aqui entra sua criatividade e disponibilidade dentre tantas possibilidades.

A reciclagem irá lhe proporcionar uma utilização mais racional dos recursos naturais e estará contribuindo com a redução na poluição de rios, lagos, ar e solo.

Como reutilizar pneus

Pneus antigos podem ser reutilizados e ganhar diferentes funcionalidades dentro de sua casa, para tal você precisara apenas de sua imaginação e alguns trabalhos manuais, utilizar dos pneus é uma forma sustentável e original de decorar e criar objetos para sua residência; confira neste artigo dicas de como reutilizar os pneus velhos de seu veículo, seja na criação de moveis ou em simples objetos para a decoração de sua casa.

Decoração com pneus usados

Pufes:

Uma das principais formas de se reutilizar pneus antigos é transforma-los nos tradicionais pufes, para isso você precisara de: 2 pneus, cola de sapateiro, 2 círculos de MDF (cerca de 50cm de diâmetro), aproximadamente 30 metros de corda, espumas, tecidos, porcas, parafusos e arruelas.

O primeiro passo é lavar os pneus e deixá-los secar, após junte os dois pneus com o auxilio de uma furadeira e amarre-os, utilize do primeiro circulo de MDF na base dos pneus e passe a cola até que esteja bem firme, continue passando a cola com cuidado ao redor dos pneus e vá enrolando com a corda por toda sua extensão mas apenas ao lado de fora, por fim utilize da espuma e do tecido para fazer o acabamento de seu pufe, você pode utilizar técnicas de costura para a realização do mesmo.

Latões de lixo:

Você pode substituir os tradicionais latões de lixo metálicos pelos pneus, para isso você precisa apenas empilhar uma quantidade adequada de pneus (se é recomendado no mínimo 3) e já estará pronto, caso deseje poderá fixar os pneus ao solo com o uso de cola por exemplo.

Camas para seu pet:

Esta dica não possui muitos segredos, um simples pneu velho pode se tornar em uma cama para seu cachorro ou gato, o decore como desejar, pinte, cole acessórios, coloque almofadas confortáveis dentro do mesmo e estará pronto.

Mesa de centro de pneu:

Para criar uma mesinha de centro com pneus para sua residência a ideia e técnica utilizada é a mesma que do pufe ensinada logo acima, a diferença é de que ao invés de utilizar dois pneus você utilizara apenas um, você pode decorar enrolando com cordas ou até mesmo pintando da forma que preferir; para a tampa superior pode utilizar o próprio MDF ou apostar na madeira e até mesmo reutilizar um espelho velho que possua em casa. Caso seja de seu gosto pode fixar pés no fundo e dar aquele detalhe a mais pra sua criação.

Como fazer balanço com pneu:

Nada melhor para reutilizar pneus do que os utilizar como os clássicos balanços, se você tiver arvores nas áreas externas de sua residência mesmo que não possua crianças para brincar os balanços podem servir como item de decoração para seu quintal. Fazer um balanço de pneu é simples, primeiramente lave e seque seu pneu, após escolha um galho mais resistente de sua arvore e certifique-se de amarrar firmemente o pneu na mesma com uma corda também resistente.

Para este método de reutilização é importante ressaltar que você precisara manter um cuidado maior com a higienização dos pneus, uma vez em que o mesmo estará ao ar livre e poderá acabar acumulando agua da chuva, uma forma de evitar isso é fazer pequenos furos no mesmo para que a água não acumule; entretanto ainda assim vez ou outra certifique-se de que não há água parada e limpe seu balanço.

Como reutilizar pneus no jardim:

Seus pneus podem servir como vasos e canteiros, aqui não é necessário nenhum processo especifico de construção ou manutenção, os pneus são naturalmente propícios para a plantação de ervas, temperos e até para a plantação de vegetais como a batata; para transformar seu pneu num vaso/canteiro basta preencher o mesmo com composto já pronto ou humus; fica ao seu gosto pinta-los e decora-los da forma como preferir, se possível faça um mix de diferentes cores e tamanhos de pneus dando aquele ar decorativo para sua horta.

Floreiras de parede:

Se você mora em um apartamento por exemplo e não possui um quintal os seus pneus ainda podem ter salvação! Corte os pneus ao meio e os pendure na parede de sua residência, assim você conseguira criar uma floreira de parede ou até mesmo o famoso jardim suspenso.

Onde descartar pneus

Caso mesmo com as dicas citadas acima você ainda não se sinta confortável de utilizar os pneus como decoração em sua residência é importante saber a forma correta de descarta-los, e isto você deve fazer apenas nos locais apropriados; uma das opções do descarte de pneu são as próprias concessionárias, comumente elas se responsabilizam por enviar os pneus velhos a uma empresa que faça o uso ideal do mesmo e seja responsável pela sua reciclagem.

Independente da decisão que tomar você pode contar com os serviços da INGO PNEUS, uma vez que cuidou adequadamente do descarte ou reaproveitamento de seus pneus velhos, está na hora de cuidar e adquirir novos conjuntos de pneus de qualidade para seu veículo, e isto você encontrará na Ingo pneus.

Manutenção de veículos, qual fazer?

A manutenção é essencial para aumentar a vida útil de um veículo, melhorar seu rendimento e claro acrescentar uma segurança maior para você durante a rodagem de seu automóvel, prevenindo assim possíveis acidentes que poderiam ocorrer por falhas de algum elemento. Assim é importante que todo automóvel passe por manutenções, seja ela preventiva ou corretiva, confira as características de cada uma e assim descobrir qual se encaixará melhor para você.

O que é manutenção de veículos

Basicamente os diferentes tipos de manutenção de um veículo existem para prevenir que você busque pela manutenção apenas quando seu automóvel já estiver com algum problema evidente. As manutenções funcionam tanto para descobrir futuros problemas quanto para consertar aquilo que já não estava em perfeitas condições, então, para não sobrecarregar seu carro e fazer as devidas manutenções apenas quando o mesmo lhe proporcionar problemas é importante que você conheça as diferentes manutenções e qual realizar.

Tipos de manutenção

  • Manutenção preventiva:

    A manutenção preventiva é uma das mais recomendadas pois possui a característica de ser realizada periodicamente, independentemente se seu veículo possuiu falhas ou não, com ela você conseguira sempre manter um bom funcionamento dos elementos do seu carro; a falta dessa manutenção pode fazer com que “pequenas” falhas comecem a surgir e justamente por serem “pequenas” você não a percebe e aos poucos o que era um erro pequeno pode se tornar uma dor de cabeça para você. A manutenção preventiva tem como objetivo “prever” futuras possibilidades de problemas que seu veículo possa ter, realizando ajustes e reparos para evitar os mesmos.

    Durante a manutenção preventiva, fique atento para revisar os seguintes componentes:

  1. Pneus:

    Itens essenciais e que não podem deixar de serem revisados, é importante sempre manter a boa calibragem, alinhamento e geometria correta dos mesmos, prolongando sua vida útil e mantendo a segurança durante a rodagem.

  2. Freios:

    A manutenção dos freios é recomendada a cada 10mil quilômetros rodados, nos freios itens essenciais como: discos de freio, pastilhas, tambores e diversos outros itens que compõe o sistema de frenagem do automóvel são checados, assim sendo imprescindível que você cuide dos mesmos.

  3. Correias:

    Apesar de serem peças mais “simples e baratas” as correias não podem ser ignoradas durante as verificações, um veículo pode possuir até quatro tipos de correias, sendo que a mais importante é chamada de correia dentada, a mesma está presente dentro do motor e é peça importante para o funcionamento do mesmo, sua substituição é recomendada a cada 50mil quilômetros.

  4. Suspensão:

    A suspensão está ligada a funcionalidade dos pneus e é um dos componentes que mais sofrem desgastes durante a rodagem do automóvel, o mesmo possui a função de manter a estabilidade e absorver os impactos do veículo, se tornando mais um item indispensável durante a manutenção.

  5. Óleo do motor:

    A troca do óleo é um dos itens mais recorrentes na revisão de seu veículo, o óleo é um dos itens que garantem o bom estado do motor então é essencial que a troca ocorra a cada 6 meses, você pode verificar semanalmente o nível de óleo no reservatório e garantir que a troca seja feita corretamente.

  6. Filtros:

    Um veículo possui diversos filtros, como por exemplo o filtro de combustível, o mesmo impede a entrada de possíveis partículas de sujeira que possam vir do motor; outro filtro é o do ar-condicionado, que tem como objetivo barrar qualquer pó, sujeira ou substancia que possa lhe fazer mal. Também é importante realizar a manutenção e troca destes filtros periodicamente.

  • Manutenção corretiva:

    Manutenção corretiva é feita quando já existe um componente falho em seu veículo, tendo a finalidade de corrigir ou substituir os mesmos. A manutenção corretiva pode ser opção no momento em que uma peça apresenta falhas inesperadas ou simplesmente deixa de funcionar, muitas vezes estas peças poderiam ser descobertas e solucionadas com a realização da manutenção preventiva.

    Essa manutenção não é a mais vantajosa nem a mais econômica, tendo em vista que para a realização da mesma um componente de seu veículo já está danificado isso fará com que o tempo de conserto e gastos para o mesmo sejam maiores.

  • Manutenção detectiva:

    Garante a segurança e bom funcionamento dos equipamentos de seu veículo, nesta manutenção os equipamentos são testados em movimento/funcionamento afim de que possíveis falhas possam ser rapidamente descobertas e prevenidas. Com ela se é possível aumentar a vida útil dos aparelhos de seu carro e diminuir os custos de reparo dos mesmos.

  • Manutenção Preditiva:

    O objetivo desta manutenção é observar e avaliar o estado dos equipamentos de seu veículo, verificando se os mesmos estão funcionando corretamente e prever o tempo de vida útil que a peça ainda possui, assim o usuário possui uma noção maior de por quanto tempo conseguira utilizar certas peças de seu carro e quando será necessário fazer a troca de cada uma.

Quando é indicado fazer a manutenção do carro?

Cada veículo é único e exclusivo, sendo assim não existe uma resposta universal para esta questão, você precisara levar em conta e considerar o manual de revisões que a montadora de seu carro disponibilizar; neste manual a montadora leva em consideração a durabilidade dos equipamentos utilizados e os testes de segurança feitos no carro antes do mesmo ser colocado à venda.

Entretanto se você não possui este manual você poderá adaptar o calendário de manutenção conforme o desgaste de seu veículo, se você por exemplo costuma viajar muito ou andar por terrenos mais íngremes ele precisara de reparos mais frequentes.

Já se você possui um automóvel que fica muito tempo parado a recomendação é de que realize manutenções a cada 6 meses ou quando atingir 10mil KM rodados; mesmo que você o utilize pouco isso não o impede de apresentar falhas e desgastes.

Qual tipo de manutenção escolher

A manutenção preventiva é definitivamente a melhor e mais recomendada para você e seu carro, ela possui um custo benefício melhor e impede que você venha a ter problemas maiores com seu automóvel. Se você quiser garantir 100% que seu carro não sofrera com problemas em momentos inesperados poderá realizar a manutenção preventiva e preditiva juntas; desta forma você realizara a manutenção corretiva apenas em momentos extremos como em caso de possíveis acidentes.

Os melhores pneus para você

Ótimo! Agora que você conhece os diferentes tipos de manutenção veiculares, quando e qual utiliza-los você com certeza conseguirá melhorar a vida útil dos componentes de seu veículo, e falando neles, passe na Ingo Pneus e confira os melhores pneus que garantirão maior conforto e segurança para você e seu carro.

Mitos e verdades sobre os pneus de seu veículo

Você com certeza já ouviu falar muita coisa sobre os pneus por aí, seja através de pessoas ou até mesmo através de “informações” disponibilizadas na internet, mas será mesmo que todas essas informações estão corretas? Confira alguns mitos e verdades que você talvez não saiba sobre os pneus de seu carro.

Saiba agora os mitos e verdades sobre os pneus de seu veículo

  1.  É recomendado que todos os pneus de seu carro sejam da mesma marca (VERDADE)A fim de manter uma boa dirigibilidade e um alinhamento correto é recomendável que todos os cinco pneus de seu carro sejam da mesma marca, incluindo até mesmo o reserva; entretanto se tal não for possível, opte por pneus que possuam o mesmo eixo, assim você não corre o risco de que seu carro fique “torto”.
  2. Pneus de uso misto duram menos (VERDADE)Os pneus de uso misto como o próprio nome já sugere foram feitos para lhe darem um determinado desempenho tanto na estrada como fora dele (na lama por exemplo), entretanto por tal fato ele não lhe rendera a melhor qualidade nem em um, nem em outro, como não possuem um ambiente especifico para rodar na sua melhor versão isso fará com que o modelo A/T possua menos durabilidade do que os pneus exclusivos para estrada e offroad.
  3. Pneus maiores rendem melhor desempenho (MITO)Na verdade, rodas e pneus maiores mais prejudicam do que auxiliam seu veículo, optar por pneus grandes fará com que seu carro fique mais pesado e consequentemente gaste mais combustível, além é claro, da dificuldade na hora de realizar trocas e manutenções nos mesmos. O ideal é sempre optar pelo tamanho indicado no manual de seu veículo ou consultar uma montadora para saber o melhor tipo de pneu para você.
  4. Pneu não tem prazo de validade (MITO)Os pneus possuem garantia de fabrica de 5 anos, esse prazo começa a contar a partir do momento em que ele foi fabricado e não necessariamente quando passou a ser utilizado; oficialmente não existe uma validade pré-determinada para os pneus, é claro que tudo depende da frequência de seu uso, entretanto  é bom se utilizar do bom-senso e ter a noção de que com o tempo os pneus passam a perder suas características iniciais e assim consequentemente perder sua qualidade, o recomendável é que se use os pneus durante os cinco anos de garantia que a própria fabrica lhe garante.
  5. A maneira de dirigir influencia na vida útil dos pneus (VERDADE)A maneira como o motorista dirige tem total influencia na qualidade e vida útil dos pneus de seu veículo, freadas bruscas, aceleração e curvas muito intensas fazem com que os pneus façam um esforço muito maior do que o realmente necessário; deste modo esse motorista obterá uma vida útil dos pneus muito menor do que aquele que dirige de maneira mais leve e constante por exemplo.
  6. Os “pelos” dos pneus não possuem função (VERDADE)Na verdade, estes “pelinhos” presentes em pneus novos, nada mais são do que o excesso de borracha que acabou se formando durante a etapa de vulcanização um dos processos de fabricação do pneu.
    Atualmente ainda é fácil encontrar pessoas que possuem a ideia de que os “pelos” são indicativos de um pneu em bom estado ou até mesmo que os mesmos ajudam na função antiderrapante, mas na verdade, eles não possuem função alguma. Pneus mais modernos inclusive já saem de fabrica sem esses pelinhos.
  7. Pneus verdes possuem uma frenagem pior (MITO)Antigamente nos primeiros pneus ecológicos fabricados esta afirmação era realmente valida, em piso seco havia a necessidade de um maior espaço de frenagem para que os pneus verdes freassem; atualmente devido aos processos de fabricação e utilização de novos compostos não há mais diferença entre o tempo de frenagem do pneu ecológico para o comum.
  8. É preciso trocar pneus com bolhas (VERDADE)A presença de bolhas nos pneus não deve ser ignorada e o ideal é que haja a troca dos mesmos assim que perceber a presença das bolhas, elas podem aumentar de tamanho e estourar a qualquer momento, causando uma perda de pressão no pneu e o tornando inutilizável.
  9. O estepe não precisa ser calibrado (MITO)Apesar de ser o pneu reserva ele não deve ser esquecido, é recomendável que passe por calibragem ao menos uma vez no mês.
  10. A frequência de calibragem afeta o consumo de combustível (VERDADE)Um pneu mal calibrado afeta diretamente no consumo de combustível do seu veículo, a falta de manutenção e calibragem dos mesmos pode elevar o consumo em até 20% a mais, tendo em vista que pneus murchos exigem mais trabalho do veiculo para rodarem.
  11. Todos os fabricantes recomendam a realização do rodizio de pneus (MITO)O rodizio dos pneus é feito com o objetivo de que os quatro pneus do carro cheguem ao fim de sua vida útil ao mesmo tempo, conseguindo assim ter um maior controle de seu próprio veículo. Em um carro com a tração dianteira por exemplo os pneus dianteiros possuem um desgaste maior aos traseiros, uma vez que os mesmos são responsáveis por: virar, tracionar e frear, enquanto os traseiros ficam com a função de girar e possuem apenas 25% do poder de frenagem. Ainda assim empresas como Renault e BMW não recomendam a pratica de rodizio dos pneus.
  12. A falta de calibragem prejudica a vida dos pneus (VERDADE)Quando o quesito é aumentar a vida útil dos pneus a calibragem é um processo importante; é necessário encontrar a calibragem ideal e buscar sempre manter elas, quando há o excesso de calibragem os pneus alcançam um desgaste maior no meio banda de rodagem uma vez em que as laterais perdem o contato com o solo com o excesso de pressão, além de deixar o veículo instável e perder segurança, se ocorre a pressão muito abaixo da recomendada por sua vez acontece o desgaste nas laterais da banda de rodagem, aumentando o consumo de combustível e mais propenso a furos e cortes.
  13. Posso usar qualquer calibragem nos pneus, o importante é calibrar (MITO)Cada carro possui uma pressão diferente e recomendada pela montadora oficial; para saber a calibragem correta de seus pneus você pode verificar o manual de seu veículo. É valido lembrar que a calibragem de seus pneus deve ser feita com os mesmos frios (rodagem de até 2km desde sua casa até o ponto de calibragem), caso o trajeto ultrapasse os 2km acrescente duas libras em proporção a calibragem recomendada inicialmente.
  14. É difícil descobrir se seu carro está desalinhado (MITO)As características de um carro desalinhado são perceptíveis e podem ser diagnosticadas pelo próprio dono a partir dos seguintes detalhes: volante torto, se o carro pende para a direita ou esquerda ao soltar o volante em um solo plano, perda de estabilidade, cantar pneu com facilidade e aumento do consumo de combustível.
  15. Rodizio de pneus economiza combustível (VERDADE)A partir do momento que você realiza a troca da posição dos pneus eles se desgastam uniformemente, permitindo assim que possuam uma maior vida útil e ainda poupem combustível de seu veículo. É recomendado que o rodizio de pneus seja realizado de forma planejada e a cada 10mil KM rodados; entretanto se você utiliza os pneus em terrenos muito irregulares e íngremes essa troca pode ser adiantada.

Ter conhecimento de tais fatos fará com que você utilize seus pneus com maior qualidade e consequentemente aumente sua vida útil.

Ótimo! Agora que você já desvendou e possui conhecimento sobre todos esses mitos e verdades a cerca dos pneus de seu veículo você já pode colocar seus conhecimentos em pratica, seja na melhora da vida útil de seus pneus seja na hora de escolher qual o conjunto ideal para você e seu carro. Para isso você pode visitar a Ingo Pneus em Curitiba, representante oficial da Michelin e BF Goodrich há mais de 25 anos na cidade.

troca-de-pneu-ingo-hoffmann

Pneus desgastados: quando e com que frequência fazer a troca

A correta manutenção do carro é fundamental para manter a segurança de todos os passageiros e para certificar-se de que está tudo em perfeitas condições. Um dos principais elementos que devemos verificar com regularidade são os pneus.

Com o tempo os pneus do carro se desgastam e perdem aderência, fato que pode provocar um acidente. Para evitar que isto aconteça, devemos trocá-los a tempo e adquirir um jogo novo.

Aqui explicamos em 7 dicas quando trocar os pneus do carro e aos elementos que devemos prestar atenção.

1ª Dica: Fique de olho no estado dos pneus

Os pneus em mau estado são uma das principais causas de acidentes de carro. Se não quer que isso aconteça com você, deverá verificar os pneus de seu veículo com frequência e trocá-los sempre que for necessário.

2ª  Dica: Pneus gastos prejudicam a aderência

Para saber quando deve trocar os pneus de seu carro, preste atenção ao rasto das rodas. O rasto é a faixa que eles têm gravada e que permite ter mais ou menos aderência ao asfalto. Um pneu em bom estado deve ter o rasto totalmente definido e marcado e cumprir com a profundidade adequada. A profundidade ideal dos pneus de carro é de 8 a 8,5 milímetros.Os pneus que têm uma profundidade de faixa de 4 mm se encontram na metade de sua vida útil, os pneus com menos de 2 mm devem ser trocados urgentemente.

3ª Dica: Medindo o rasto dos pneus

Como medir a profundidade do rasto dos pneus? Você pode usar um profundímetro, ou usar uma ferramenta bem mais simples e que todo mundo sempre tem no bolso: uma moeda. Para isso, pegue uma moeda de 1 real, coloque no rasto do pneu, e se o círculo dourado ficar completamente coberto pela borracha, o pneu está em perfeito estado; se ao invés disso você é capaz de ver um pouco, quer dizer que ele começa a estar desgastado, e se der para ver muito, você deve trocá-los imediatamente.

4ª Dica: As laterais dos pneus também são importantes

Verifique o estado dos pneus do carro pelas laterais da parte de rolamento da roda, não pelo centro, porque esta é a parte que se encarrega de manter a aderência nas curvas. A lateral do rolamento tem uma forma mais arredondada do que o centro e por isso tende a desgastar antes.

5ª Dica: Vida útil dos pneus

Não existe uma duração de vida estabelecida para as rodas do carro, já que este é um aspecto que depende fundamentalmente da marca do pneu, do modo de direção do condutor, do tipo de estrada e da manutenção dos pneus (rodízio, calibragem, geometria e balanceamento). No entanto, existem algumas regras gerais. Quando os pneus do carro tiverem mais de 5 anos, devem ser revisadas pelo menos 1 vez a cada 6 meses porque podem começar a aparecer os sinais de desgaste e na aderência dos pneus.

6ª Dica: Manutenção dos pneus

O desgaste pelo tempo ou o uso excessivo não é o único motivo para trocar os pneus do carro. Se as rodas estão danificadas, se furou o pneu, se estão defeituosas, se a borracha apresenta dobras, sinais de ressecamento ou vincos estranhos na lateral, se a textura da borracha interior for áspera ou sofre um desgaste anômalo irregular, você deve ir ao mecânico para uma revisão e para trocar por outros pneus em perfeitas condições. Fazer uma manutenção dos pneus do carro é imprescindível para assegurar seu correto funcionamento.

7ª Dica: Troca de pneus

O Regulamento Geral de veículos estipula que as rodas devem ser trocadas por pares, ou seja, você não pode trocar uma roda de forma individual, você tem que trocar seu par. Portanto, se um dos pneus dianteiros estiver danificado ou desgastado, você tem que trocar ambos os pneus da frente; o mesmo acontece com os de trás. Mas é importante lembrar que a troca dos dois pares de pneus , garante uma melhor direção para o condutor.

Você também pode gostar!

Aproveite e descubra os motivos para realizar a troca do seu pneu agora, através do nosso e-book gratuito. Clique e faça o download:

3-motivos-para-realizar-a-troca-do-seu-pneu-728x90

 

 

pneu-de-alta-performance-esportivo

Visual esportivo: entendendo um pneu de alta performance

Considerado um item de segurança do veículo, é preciso ter cuidado na hora de escolher o pneu ideal. Ser negligente com esta escolha pode trazer riscos.

Por conta das novas exigências e desejo dos consumidores, os pneus de alta performance estão expandindo seu mercado. Antes eram usados quase que exclusivamente nas pistas de corrida. Agora, estão se tornando sensação em carros populares.

Os pneus de alta performance, também identificados por HP (High Performance), normalmente são escolhidos por quem deseja dar um ar mais esportivo ao seu veículo. Claro, ao mesmo tempo em que querem poder chegar a uma velocidade mais alta com maior segurança.

Mas como isso é possível? Veja o que há de diferente na composição de um pneu HP.

Diferenças entre pneus de alta performance e tradicionais

Pneus tradicionais costumam ser utilizados em carros de uso popular que não têm um desempenho tão elevado, sem chegar a velocidades tão altas. Para estes casos, a prioridade é a vida útil do pneu, que é mais longa.

pneu-de-alta-perfomance

Os pneus de alta performance são normalmente colocados em carros esportivos, que alcançam altas velocidades. Sua fabricação visa priorizar o desempenho em alta velocidade, que envolve maior segurança e resistência na pista. Porém, devido ao desgaste mais acelerado, a vida útil é menor.

Maior qualidade na dirigibilidade, aderência, frenagem, seja em pista seca ou molhada, são os principais fatores que diferenciam pneus de alta performance dos tradicionais.

Para suprirem estes objetivos, os pneus de alta performance são mais largos, têm a parede lateral mais baixa e geralmente possuem desenhos diferenciados nas fissuras.

Outras diferenças estão na estruturação que recebem. Os pneus de alta performance são reforçados com materiais na cinta do pneu, que permitem maior equilíbrio quando for exigido em condições extremas.

Seguir as recomendações do fabricante e da loja que irá fazer as adaptações é fundamental. Por exemplo, o diâmetro externo do pneu não pode ser alterado. Mudando o diâmetro, o velocímetro poderá passar informações enganosas sobre a real velocidade que se está alcançando.

Pneus de alta performance e ultra alta performance

Existe ainda, as diferenças entre pneus de alta performance (HP) e os de ultra alta performance (UHP), uma categoria superior. O que muda é que os pneus UHP são feitos para ter ainda maior aderência em pista seca, maior durabilidade, tração e flexibilidade.

Os UHP possuem menos sulcos e borracha mais macia para gerar maior aderência. Entretanto, ter menos sulcos acarreta em menor drenagem de água, por isso, no quesito pista molhada, os pneus de alta performance saem na frente.

No quesito de suporte de velocidade máxima, os HP e UHP também se subdividem. A identificação é feita por letras:

HP Letra H – suportam até 210km/h
HP Letra V – suportam até 240km/h
UHP Letra W – suportam até 270km/h
UHP Letra Y – suportam até 300km/h

Como é um pneu de alta performance por dentro?

A parte mais interna do pneu de alta performance é bastante simples: uma armação de metal dupla, parecendo dois arames circulares. A função disso é a de fixar o pneu firmemente à roda do veículo, sem espaço para desencaixes. Com o objetivo de proteger e aumentar a resistência, os “arames” são envolvidos por uma camada de borracha muito dura e resistente, o que também melhora a aderência da armação ao metal e forma a parte lateral do pneu.

Em seguida, há uma espécie de cinta feita de ferro e que une os dois “arames” citados acima, dando o formato inicial do pneu — estrutura é feita de modo que os sulcos do ferro sejam horizontais. O objetivo é aumentar a estabilidade do componente, através de uma maior resistência, e servir de base para a próxima camada.

A penúltima parte é feita de várias camadas de ferro, com sulcos feitos na vertical, que é usada para reforçar mais ainda toda a estrutura do pneu e também para fazer com que ele fique mais resistente a diferentes tipos de impacto — como pedras ou desníveis no meio do caminho.

Por último e fechando todo o pneu, há a visível camada de borracha — e quanto maior for a sua área de contato com o solo, mais estável o veículo vai ficar. Além disso, essa parte conta com sulcos profundos e de diferentes tipos, que têm o objetivo de escoar qualquer líquido que possa prejudicar a aderência da borracha com o asfalto.

Agora que já sabe um pouco mais sobre o assunto, tome todos os cuidados necessários quando optar por trocar os pneus e as rodas do seu veículo. Não basta pensar só no visual, mas também nas condições de segurança.

Você também pode gostar:

Aproveite e descubra dicas de como melhorar o desempenho do seu carro, através do nosso e-book gratuito. Clique e faça o download:

3-dicas-para-melhorar-o-desempenho-do-seu-carro-728x90

calibragem-pneus-ingo-pneus-michelin

Chega de confusão! Entenda quando você deve calibrar seus pneus

Qual é o prazo correto para realizar a calibragem de pneus? Isso deve ser feito com ele quente ou frio? Qual a pressão correta? Essas perguntas são mais comuns do que você pensa e a maioria das pessoas tem dúvidas sobre as resposta e acaba não fazendo o correto controle dos pneus de seu veículo.

Pneus sem a calibragem correta trazem inúmeros problemas, gastos indesejados e são um risco ao condutor e passageiros. Neste post você vai aprender como fazer o correto controle dos pneus do seu veículo, garantir mais segurança e ainda economizar dinheiro.

Frequência correta para calibrar os pneus

cuidados-com-pneus-ingo-pneus

Provavelmente esta é a principal dúvida dos condutores. A boa notícia é que é muito simples saber a frequência correta para realizar a calibragem dos pneus do seu carro.

Em condições de uso normais o correto é calibrar os pneus a cada 15 dias. Mas faça isso de preferência quando os pneus estiverem frios, ou seja, tendo rodado no máximo 3 quilômetros. No entanto, existem algumas exceções a serem seguidas:

Veículos que trafegam grandes distâncias durante o mês, calibre os pneus a cada 500km, caso aconteça antes dos 15 dias.

Veículos com pouco uso durante o mês, calibre os pneus uma vez a cada 30 dias.

É importante calibrar os pneus sempre antes e depois de viagens longas. Andando com o carro carregado em viagens a pressão dos pneus é diferente de quando você utiliza somente para rodar na cidade.

Se o seu pneu está precisando ser calibrado antes de 15 dias, você precisa verificar outros itens de manutenção que devem estar prejudicando os pneus do seu veículo. Consulte um especialista.

Se cair em algum buraco muito grande ou pegar alguma guia, principalmente em estradas, confira a pressão dos pneus. Pancadas muito fortes podem fazer o pneu perder pressão e você acabará danificando ele mais.

Como calibrar os pneus corretamente

Agora que você já sabe quando deve ser feita calibragem para garantir o correto controle dos pneus, está na hora de aprender como fazer isso de forma correta.

O primeiro passo é saber qual a pressão correta dos pneus. Essa informação é normalmente encontrada nos seguintes locais:

Adesivo na parte interna da tampa de combustível.

Adesivo em uma das portas dianteiras.

Manual de uso e manutenção do veículo logo no início ou na parte que fala sobre pneus.

Repare que existe mais de uma informação sobre a pressão correta dos pneus. Elas variam em função do tamanho do pneu em seu veículo e se você está ou não andando carregado.

Para saber o tamanho do pneu do seu carro, é só olhar no próprio pneu as informações.  e comparar com o que está escrito na indicação do manual. Depois é só verificar qual a pressão correta para uso com pouca carga e carregado (normalmente para viagens) e calibrar os pneus.

Em algumas exceções a pressão para andar com o veículo cheio e vazio é a mesma. Portanto é só seguir o que está no manual sem medo.

A calibragem de pneus economiza dinheiro e diminui o risco de acidentes

Poucas pessoas sabem, mas, de acordo com uma pesquisa da Michelin, cerca de 50% dos veículos no Brasil trafegam com a calibragem dos pneus incorreta e desse número 20% estão em condição perigosa.

Isso gera inúmeros problemas. Um deles é seu desgaste prematuro. Pneus com calibragem incorreta podem ter uma vida útil de até 8.500 km menor. Aliado a isso, andar com pneus muito cheios ou muito vazios aumenta o risco de acidentes e o consumo de combustível.

Outro problema é o peso no bolso com o aumento da manutenção de alguns itens do sistema de suspensão e de direção do carro por andarem sob estresse excessivo devido a calibragem incorreta dos pneus.

Você também pode gostar!

Aproveite e descubra os motivos para realizar a troca do seu pneu agora, através do nosso e-book gratuito. Clique e faça o download:

3-motivos-para-realizar-a-troca-do-seu-pneu-728x90

pneu-certo-michelin-ingo-pneus

O pneu certo para o seu carro fazer bonito na estrada

Os pneus são componentes de extrema importância para a segurança do veículo e, por isso, devem estar, além de calibrados, sempre em perfeitas condições de uso. Para tal, seu desgaste deve ser constantemente observado, e seu tempo de troca, respeitado.

Mas, como escolher o modelo certo?

Escolher pneu nem sempre é uma tarefa fácil. Muitas questões surgem nesse momento. Afinal, apesar de não parecer, muitos detalhes devem ser avaliados para que não ocorram arrependimentos posteriores.

A primeira coisa a ser feita é saber todas as especificações que esses itens do carro devem ter. Para isso, basta consultar o manual do veículo ou mesmo observar a lateral de cada pneu — local no qual existe um código de letras e números que explica, detalhadamente, o seu propósito e seus limites.

 

Quando os pneus devem ser trocados?

Os pneus devem ser trocados toda vez que for percebido um desgaste além do normal. Alguns hábitos podem antecipar o momento da troca, como o tipo de pneu utilizado, a estrada na qual o motorista trafega e a forma como ele conduz o carro (arranques, freadas, curvas, etc.), que os desgastam mais rapidamente, entre outros aspectos que podem fazer a diferença.

O principal critério para sabermos o desgaste desses itens é por meio do TWI (Tread Wear Indicator) — em português “indicador de desgaste da banda de rodagem”. Trata-se de um ressalto de borracha que fica nos sulcos dos pneus e conta com 1,6 milímetro de altura. A marca aparece de forma escrita — TWI — ou pelo desenho de um triângulo. No caso do pneu Michelin é representado pela imagem do BIB.

Ao chegar ao seu limite, o desgaste máximo é indicado, que é quando o pneu é chamado de “careca” — o que coloca em risco a segurança do veículo, aumentando a chance de derrapagem e aquaplanagem.

Como escolher pneu certo?

Na verdade, existem pneus para diferentes tipos de carros, como aqueles com motor potente, com motor mais fraco, para caminhonetes, para SUVs, etc. O consumidor tem que saber o segmento no qual o seu veículo se enquadra e, assim, buscar a linha de pneus que precisa.

de nada adianta o motorista se preocupar em fazer a calibragem periodicamente e manter os pneus conservados se, na hora da troca, não levar em consideração as especificações que esses componentes devem ter para o seu tipo de carro.

Confira, a seguir, boas dicas para a hora de trocar os pneus do seu carro:

1. Escolha a banda de rodagem adequada

A banda de rodagem é o que garante tração, dirigibilidade, boa frenagem, capacidade de dispersão de água e quilometragem ideal para cada tipo de automóvel. Por isso, precisa ser muito bem escolhida.

Cada pneu conta com um modelo de banda de rodagem, que define em que espécie de estrada o carro deve rodar. Existem pneus com sulcos mais apropriados para os dias de chuva, outros para estradas off-road e ainda aqueles mais comuns para asfaltos secos.

As bandas de rodagem, não diferem umas das outras apenas em relação ao desenho dos sulcos, mas também na largura do pneu. Quando mais largo ele for, mais estável se mostrará, mas, em compensação, copiará mais as inclinações e irregularidades da pista. O motorista deve saber o que é mais importante para seu tipo de condução.

2. Busque pneus com uma boa durabilidade

A forma com a qual o motorista usa seu carro, geralmente determina sua durabilidade. As condições das estradas e ruas nas quais o veículo trafega, bem como as devidas manutenções com o automóvel e os pneus, representam também fatores importantes e que podem diminuir ou aumentar a vida útil desses itens.

durabilidade-de-pneu-certo-michelin-ingo-pneus

3. Procure saber qual o melhor pneu para rodar também em dias de chuva

As novas tecnologias na fabricação de pneus permitem uma proteção maior para os dias de chuva. O desenho em pneus para chuva ou estradas molhadas, que pode ser observado na banda de rodagem, não está ali por acaso.

Trata-se de uma tecnologia que facilita a circulação dos veículos em locais em que ocorrem chuvas com frequência. São sulcos que dispersam a água e, dessa forma, evitam que se forme uma camada entre o pneu e o asfalto — impedindo que derrapagens ocorram.

Por isso, ao comprar os pneus, escolha aqueles que possibilitem uma condução mais segura, principalmente em dias chuvosos. Dessa forma, evita-se as derrapagens e a tão temida aquaplanagem. *Pela nova norma do Inmetro.

4. Obtenha um controle maior na direção

A escolha da banda de rodagem do pneu garante também o maior controle do automóvel. Pneus com uma largura maior, tem melhor aderência e índice de performance maior conferindo um controle mais eficaz do carro.

5. Conquiste conforto e maciez ao trafegar

Customizar o carro com pneus com perfil menor, com o objetivo de ele ficar esportivo, pode até agradar alguns usuários quanto à estética, porém essa prática prejudica muito o conforto e a maciez do automóvel. Ao reduzir o perfil do pneu, ocorre também a diminuição da camada de ar que o amortece e, consequentemente, aumentam os impactos com o chão.

Aproveite essas dicas e escolha sempre a melhor opção para seu carro!

Você também pode gostar:

Aproveite e descubra dicas de como melhorar o desempenho do seu carro, através do nosso e-book gratuito. Clique e faça o download:

3-dicas-para-melhorar-o-desempenho-do-seu-carro-728x90